Sólida infra-estrutura e advogados
            especializados na área previdenciária.

Lesões da Voz e o INSS
O assunto hoje interessa a todos os professores, locutores, telefonistas, vendedores... Enfim, todas as pessoas que fazem da voz a sua ferramenta de trabalho.
Saiba +
Artigos

Algo Errado
Publicado no Jornal Comércio da Franca do dia 04/04/2014, Seção Opinião e Debates, pág. 02 (disponível também em http://www.gcn.net.br/noticia/246544/opiniao/2014/04/algo-errado)
Escrito por: Tiago Faggioni Bachur. Colaboração de Fabrício Barcelos Vieira. Advogados e professores especialistas em Direito Previdenciário



Um dos princípios previdenciários contidos na Constituição Federal Brasileira é conhecido como “regra da contrapartida” e diz que “nenhum benefício ou serviço da seguridade social poderá ser criado, majorado ou estendido sem a correspondente fonte de custeio total”. (art. 195, parágrafo 5º). Em outras palavras, significa que para que possa existir alguma aposentadoria ou qualquer outro benefício a ser pago pelo INSS, deve existir adequada contribuição. Da mesma maneira, para que possa ser dado algum aumento para quem recebe do INSS, deve existir a respectiva fonte. 
 
Quem contribui, está limitado a um valor mínimo e a um valor máximo (teto). A menor contribuição deve levar em conta como base o valor do salário mínimo (hoje, R$ 724,00). Já o teto é atualmente R$ 4.390,24. Como há esses limites contributivos, em regra, ninguém poderá receber do INSS menos do que o salário mínimo e nem mais do que o teto. É o que está na lei. Portanto, em tese, quando for hora de aposentar a pessoa receberá de acordo com aquilo que contribuiu. Será feita uma espécie de média das contribuições, dos valores pagos após julho/1994 (data do Plano Real), devidamente atualizado de acordo com o índice oficial (INPC).
 
Isso quer dizer, por exemplo, que, se alguém contribuiu com o teto a vida toda, quando se aposentar irá receber o teto? É isso que deveria acontecer, mas não é assim que funciona. Se fizermos o cálculo, a média encontrada será de aproximadamente R$ 3.970,00 (quase 10% a menos). E aqui não está se falando de fator previdenciário ou qualquer outro redutor — apenas da média — pois se fossem também aplicados, a diferença seria maior ainda. Conclui-se que quem pagou mais, está recebendo menos. Assim, todos que contribuíram com valores acima de um salário estão perdendo. É óbvio que alguma coisa está errada na sistemática de cálculo e no índice de atualização, mas não há consenso do que fazer. O Judiciário ainda não acordou para tal situação. O ideal é procurar um especialista.
 
------------------
Tiago Faggioni Bachur
Colaboração de Fabrício Barcelos Vieira, advogados e professores especialistas em Direito Previdenciário



BACHUR & VIEIRA - advogados 


acesse: www.bachurevieira.com.br 
Escritório: Rua Couto Magalhães, 1846 e 1850 - CEP 14.400-020 - Fone (16) 3403.3468 e 3025-0503

 Franca/SP





Mantenha-se informado em tudo o que acontece na área previdenciária. Acesse www.bachurevieira.com.br.
Notícias previdenciárias atualizadas diariamente!





Voltar


Rua Couto Magalhães, nº 1846 e nº 1850
Centro - Franca/SP - CEP 14400-020
Fone (16) 3403-3468 - 3025-0503

Todos os direitos reservados
Desenvolvido por