Sólida infra-estrutura e advogados
            especializados na área previdenciária.

Lesões da Voz e o INSS
O assunto hoje interessa a todos os professores, locutores, telefonistas, vendedores... Enfim, todas as pessoas que fazem da voz a sua ferramenta de trabalho.
Saiba +
Artigos

Tempo de Doméstico
Publicado no Jornal Comércio da Franca do dia 10/10/2014, Seção Opinião e Debates, pág. 02 (disponível também em http://gcn.net.br/noticia/267069/opiniao/2014/10/tempo-de-domestico)
Escrito por: Tiago Faggioni Bachur. Colaboração de Fabrício Barcelos Vieira. Advogados e professores especialistas em Direito Previdenciário



De acordo com a lei, empregado doméstico é todo aquele que presta serviços de natureza contínua (frequente, constante) e de finalidade não-lucrativa a pessoa ou família, no âmbito residencial, como cozinheiro, babá, lavadeira, faxineiro, vigia, motorista, jardineiro, cuidador de idosos, caseiro etc. Foram os últimos a ter direitos reconhecidos e falta regulamentar a maioria. Quase tudo está da mesma forma.
 
No âmbito jurídico-previdenciário, a categoria teve importante conquista dia 8 deste mês. A TNU (Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais), concordando com entendimento do STJ (Superior Tribunal de Justiça) disse que não se exige do trabalhador doméstico o pagamento de contribuições previdenciárias para períodos anteriores à Lei nº 5.859/72, uma vez que, até então, não havia previsão legal para registro e nem obrigatoriedade de filiação ao RGPS (Regime Geral da Previdência Social). 
 
Ainda, segundo a decisão, não há qualquer amparo exigir-se recolhimento previdenciário referente a trabalho como doméstica sem registro porque, até a Lei nº 5.859/72, não eram exigíveis e ainda porque, a partir da norma, os recolhimentos eram atribuídos ao empregador. Em outras palavras, para o período anterior a dezembro/1972, basta apenas comprovar atividade.
 
Para o período posterior à referida lei, o empregado doméstico pode computar o respectivo período trabalhado, ainda que não tenha recolhimento previdenciário. 
 
É que a partir de então, o recolhimento passa a ser obrigatório, mas quem tem a obrigação é o empregador. Então, se o empregado doméstico comprovar que trabalhou e o INSS alegar que não tem contribuições, o tempo deverá ser contado. Se o crédito do INSS não estiver prescrito é a Previdência Social que deverá cobrá-lo, através de meio próprio. Se a Previdência não cumpriu seu papel o segurado não pode ser punido, deixando de computar tempo trabalhado. 
 
Tiago Faggioni Bachur
Colaborou Fabrício Barcelos Vieira, advogados especialistas em Direito Previdenciário

------------
ESTÁ CHEGANDO...






Acompanhe nossos informativos e Aguarde!!!

Logo, mais novidades...



BACHUR & VIEIRA - advogados


acesse: www.bachurevieira.com.br
Escritório: Rua Couto Magalhães, 1846 e 1850 - CEP 14.400-020 - Fone (16) 3403.3468 e 3025-0503 - Franca/SP


Mantenha-se informado em tudo o que acontece na área previdenciária. Acesse www.bachurevieira.com.br.
Notícias previdenciárias atualizadas diariamente!





Voltar


Rua Couto Magalhães, nº 1846 e nº 1850
Centro - Franca/SP - CEP 14400-020
Fone (16) 3403-3468 - 3025-0503

Todos os direitos reservados
Desenvolvido por